O FASCÍNIO PELO PODER

Ele existe e é necessário, pois está presente em todas as relações e instâncias da vida e da sociedade.  Começando pela família, a célula básica da sociedade.

Não é algo ruim sentir atração pelo poder. O que pode se tornar ruim é a  forma como este poder é exercido nas áreas sociais, econômicas, políticas, familiares,  religiosas e em qualquer entidade. Eu mudaria a Constituição, para que todos tomassem consciência. Em vez de “Os três Poderes” colocaria “Os Três Serviços da República Federativa do Brasil”.

Todas as pessoas podem e até devem se sentir atraídas pelo poder, desde que tenham como escopo o serviço e, ainda, que sempre seja debatida a melhor forma de servir. Caso contrário, o poder corre o risco de se tornar imposição, autoritarismo, tirania, despotismo e arrogância. O poder exercido desta forma é classificado pela psicologia como patológico, ou seja, a pessoa que age assim se auto-revela  insegura e fraca. São estas as pessoas que se sentem donas da verdade e da melhor forma de administrá-la. Aqui começam os sérios problemas na forma de exercer o poder, pois ninguém é perfeito. Já dizia o cantor Caetano Veloso: “Olhando de perto ninguém é normal”; e um amigo sociólogo completa: “Olhando de longe é pior ainda”. Resumindo, como diz o ditado popular: “Todos temos telhado de vidro”. Portanto, vamos com calma, senhores e senhoras.

Creio que a melhor forma de solucionar o problema em torno do poder é exercê-lo de forma democrática e participativa. Porém, no Brasil, o artigo 14 da Constituição ainda não foi regulamentado, para que o povo possa exercer seu poder de cidadania através de plebiscitos e referendos, a respeito de matérias importantes para vida da sociedade. Há que se continuar a luta. Todavia, o silêncio ainda não foi quebrado, pois isso convém à maioria da classe política brasileira. Poder pelo poder corrompe…

Existe um chamado bíblico muito forte a este respeito, ou seja, para os que exercem o poder buscando o proveito próprio: “Pensa no teu fim e converte-te”.

Há  uma lenda em torno de Alexandre Magno. Diz ela que, vendo ele se aproximar sua morte,  convocou seus generais e manifestou seus três últimos desejos: 1) Que seu caixão fosse transportado pelos médicos; 2) Que seus tesouros fossem espalhados no caminho, até o seu túmulo; 3)Que suas mãos fossem deixadas balançando no ar, fora do caixão, à vista de todos. Perguntaram-lhe a razão disto, e ele explicou: – “Quero que os mais eminentes médicos carreguem meu caixão para mostrar que eles não têm poder perante a morte. Quero que o chão seja coberto com meus tesouros conquistados para que as pessoas possam ver que os bens materiais conquistados aqui permanecem. Que minhas mãos balancem ao vento para que as pessoas vejam que de mãos vazias viemos a este mundo, e de mãos vazias partiremos dele”.

Lamentavelmente, há mais de dois milênios, Alexandre não imitou Pepe Mujica, atual presidente do Uruguai, considerado o chefe de Estado mais pobre do mundo. Alexandre mandou espalhar seus tesouros por onde seu caixão iria passar. Pepe Mujica é um homem prático, se diz ateu, mas vive a partilha, a simplicidade e a fraternidade solidária, vivida e pregada pelo Mestre Jesus de Nazaré. Não esperou a morte, mas  do seu salário de 12 mil e 500 dólares, ele só fica com mil e 250 dólares. Os 90 por cento são entregues a ONGs encarregadas de construções de casas populares para os pobres. Diz que fica com o suficiente, pois tem gente que vive com menos ainda em seu país. Ele mora numa casa modesta, numa pequena fazenda de sua esposa, e dirige um velho fusca, que vale mil dólares.

 Nas reuniões dos dirigentes dos países latinos americanos é sempre ouvido com fervor. Porém, é necessário que todos o imitem, só assim sobrará verbas para tantas políticas públicas, para pagar melhor aos profissionais da saúde e da educação e a todos os trabalhadores.  Para equipar melhor os centros de saúde e escolas… É o poder transformado em serviço à vida com dignidade para todos(as).

Paulo Reims

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *